Quais as diferenças entre sistemas convencionais e endereçáveis nas centrais de alarme de incêndio?

Imagem: Divulgação

No dia a dia é comum encontramos dificuldades para entender qual é o sistema ideal para cada ambiente na hora da instalação de centrais de incêndio. As dúvidas podem surgir em relação ao tamanho do local, se existem muitas variáveis, além de nem sempre entendermos o funcionamento de cada sistema.

As centrais são diferenciadas pelo modo de operação e instalação, sendo esses convencionais e endereçáveis. Entenda as principais diferenças e faça a escolha ideal para seu projeto. Para isso, elencamos os principais pontos e diferenciais de cada sistema: (mais…)

Leia Mais

Sistema de detecção de incêndios: um aliado contra riscos de vidas e patrimônios

(Foto: iStock)
(Foto: iStock)

O Instituto Sprinkler Brasil (ISB) divulgou no início de 2015 dados que indicam um aumento de 33% no número de ocorrências de incêndio estrutural reportadas pela imprensa brasileira quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Saiba qual a importância em obter um sistema de detecção de incêndios para sua empresa ou imóvel e, desta forma, reduzir riscos e salvar vidas.

Segundo o Instituto Sprinkler Brasil (ISB), organização que se dedica à divulgação de informações relacionadas ao combate a incêndios por meio da utilização de chuveiros automáticos (sprinklers), o número de ocorrências de incêndios estruturais (edifícios comerciais e indústrias) aumentou 33% em 2015, se comparado ao mesmo período do ano anterior, somando 711 casos contra 534 contabilizados de janeiro a junho. A pesquisa aponta que o maior número de ocorrências aconteceu em edifícios comerciais (31% em lojas, supermercados e shopping centers), seguido por indústrias (18%) e depósitos (12%). Os 11% dos casos restantes concentraram-se nos chamados locais de reunião de público (igrejas, teatros, aeroportos, clubes, estádios, casas noturnas, restaurantes, bibliotecas, etc). Foi apontado, ainda, que o Estado de São Paulo é líder de ocorrências noticiadas, seguido por Minhas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. Nestes dados, foram excluídos os incidentes ocorridos em residências e florestas. Importante salientar que eles representam de 2% a 3% dos incêndios que ocorrem de fato, devido à indisponibilidade de números oficiais e à inexistência de um órgão nacional que se responsabilize pela compilação destes dados.

Ocorrências de incêndios estruturais (exceto residenciais) noticiados no primeiro semestre de 2015 – por ocupação (link para a fonte)

As principais causas de incêndios estruturais estão ligadas à falta de manutenção preventiva dos sistemas, à qualidade dos equipamentos e materiais utilizados na obra e projetos mal elaborados. Somado a isto, a legislação anti-incêndio no Brasil ainda é falha. É necessário unificar as normas existentes e torná-las mais rígidas, visando a diminuição da incidência de incêndios.

Arcar com os custos de um incêndio não significa somente realizar reparos ou reformas na propriedade. Se uma fábrica é seriamente danificada, por exemplo, os danos podem implicar na interrupção dos negócios durante meses, causando mais prejuízos financeiros. Os prejuízos morais e de responsabilidade civil são outro ponto delicado: mortes causadas por incêndios ainda estão em um patamar relativamente baixo; por outro lado, o número de lesões e ferimentos causados por incêndios é alto e, muitas vezes, graves à saúde do indivíduo.

O que compõe um Sistema de Detecção de Incêndio: central e seus dispositivos

Empresas de todos os perfis e operadores de armazéns, depósitos e outros devem mais do que obrigatoriamente investir em sistemas de prevenção e detecção de incêndios. São soluções que devem atender às normas técnicas e legislações enquanto a sua instalação e manutenção, e serem elaboradas dentro de um projeto de detecção de riscos por um profissional qualificado. Se contabilizado, esse investimento gera retorno financeiro, previne catástrofes e salva vidas.

Um sistema de detecção de incêndio é composto por vários equipamentos e dispositivos. A Central de Detecção e Alarme de Incêndio Endereçável é responsável por receber a informação dos equipamentos que detectam o incêndio e, em caso de uma situação de alarme, acionar os sinalizadores. Além disso, ela monitora e verifica falhas de funcionamento, entre outras funções.

Os Detectores de Fumaça verificam indícios iniciais de fogo e comunicam a central. Detectores de fumaça confiáveis reduzem disparos de alarmes falsos. Quando em sinistro, eles enviam uma mensagem automática à central de alarme de incêndio, informando a sua localização exata através do endereço definido na chave seletora. Eles são eficientes, de fácil instalação e manutenção e capazes de detectar partículas de fumaça produzidas por inúmeras fontes de combustão.

O Acionador Manual Endereçável é outra solução muito eficaz para sistemas de detecção de incêndios. Ele possui um interruptor que, quando tem o seu vidro quebrado, aciona o alarme de incêndio. Em seguida, ele manda um sinal automático, informando o seu código de localização à central de alarme de incêndio. Este tipo de dispositivo possui grau de proteção, é recomendado que o projetista preste atenção se o grau de proteção está condizente com o ambiente que o produto será instalado.

A sinalização de funcionamento, geralmente, se dá através de dois LEDs e uma sirene interna para alarme. Se o LED está verde, o sistema está funcionando; se está vermelho, significa sinal de fogo e alarme.

O Avisador Visual e Sonoro este é o dispositivo que informa a condição do alerta ou incêndio para que as pessoas presentes possam abandonar o local. Os modelos mais encontrados no mercado são os audiovisuais que quando acionado, emite uma luz vermelha e um sinal sonoro, ao mesmo tempo. Existem outros tipos de sinalizadores, que podem ser somente sonoros ou visuais, a escolha do item vai depender do tipo de aplicação e do ambiente, certamente o modelo será especificado pelo projetista.

Cabos blindados são cabos desenvolvidos para alimentação de sistemas de detecção e alarme de incêndio, evitando que interferências externas prejudiquem os sinais transmitidos. Fique atento, pois eles devem possuir blindagem, caso não, devem ser instalados em eletrodutos metálicos, calhas e bandejamentos metálicos fechados, exclusivo para o sistema de alarme de incêndio.

Fontes: Brasil Engenharia, Sindsegsp, Sprinkler Brasil

Leia Mais